Prefeitura Municipal de Nova Venécia

Ação Social promove caminhada no Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher

caminhada_mulher_site_01caminhada_mulher_site_02caminhada_mulher_site_03A Prefeitura de Nova Venécia, por meio da Secretaria de Ação Social promoveu na manhã desta terça-feira (25) Dia Internacional de Luta Contra a Violência à Mulher, uma caminhada pelas ruas da cidade. Em viagem acompanhado de comitiva a Brasília,em busca de canalizar recursos para obras de infraestrutura no município, o Prefeito Municipal destacou a importância do movimento para o município.

 “Promover o debate em apoio aos direitos da mulher veneciana e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres, com certeza é o melhor caminho para amenizar esse tipo de problema. Quero parabenizar o trabalho da equipe da Secretaria de Ação Social, que tem desenvolvido ações precisas para conscientizar a nossa população, a cerca deste grave problema” destacou o Prefeito.

Vitima de violência psicológica, a dona de casa, Lauciléia Matos fez questão de participar do ato. “Eu carrego comigo, marcas da violência psicológica do meu ex-marido. É muito difícil conviver com isso. Quero aproveitar a oportunidade para clamar por respeito. A violência não leva a nada, mas com diálogo é possível amenizar qualquer problema”, comentou.

O movimento reuniu mais de 200 pessoas, entre funcionários e usuários da Secretaria de Ação Social e do Centro de Convivência do Idoso. Com apitos e vestidos de camisa lilás com a frase, “O seu corpo não precisa de marcas, você tem direitos, você tem escolha”, os participantes abordaram populares pelas ruas e entregaram panfletos educativos sobre o tema.

“O número de casos de violência contra mulher tem aumentado, e muita delas, ainda resistem em não denunciar o seu companheiro, com medo de represálias, mas aquela que tem coragem de denunciar será bem assistida pela Secretaria de Ação Social” disse a Coordenadora do CREAS de Nova Venécia.

Índices de violência contra a mulher

De acordo com estudo apresentado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da Comissão Permanente de Acesso à Justiça e Cidadania e do Departamento de Pesquisas Judiciárias, o Espírito Santo apresenta a taxa de homicídio mais alta do país, com 9,8 homicídios a cada 100 mil mulheres.

O relatório divulgado no inicio deste ano, mostra ainda que, O local onde mais comumente ocorrem situações de violência contra a mulher é a residência da vítima, independente da faixa etária. Até os 9 anos de idade, conforme foi identificado pelo estudo, os pais são os principais agressores.

 A violência paterna é substituída pela do cônjuge e/ou namorado, que preponderam a partir dos 20 até os 59 anos da mulher. Já a partir dos 60 anos, são os filhos que assumem esse papel.

Serviço

Para dúvidas e denúncias, a Secretaria de Ação Social disponibiliza os seguintes contatos: (27) 3752 9040 ou 3752 6938.